A fragmentação do mito da democracia racial e a dimensão pedagógica do cinema negro

##plugins.themes.bootstrap3.article.main##

Celso Prudente

Keywords

dimensão pedagógica do cinema negro; ibero-ásio-afro-ameríndio; euro-hétero-macho-autoritário; euroheteronormatividade.

Resumo

Este artigo trata a fragmentação do mito da democracia racial, cuja sociedade brasileira monocultural foi vista como um paraíso de laboratório racial, para os países multirraciais. O Movimento Negro Unificado - MNU lutou contra o racismo, a violência policial e a ditadura militar, fragmentando o mito da democracia racial brasileira. Os ativistas negros se identificaram com o cinema novo, de Glauber Rocha, que adotou o negro como referencial estético. Glauber criou também o cinema negro, sendo o cinema das minorias vulneráveis, no qual a imagem do ibero-ásio-afro-amerindio fez uma luta ontológica contra a hegemonia imagética do euro-hétero-macho-autoritário sua euroheteronormatividade, que foi o sentido da eurocolonização. Na dimensão pedagógica do cinema negro as minorias desenvolveram a construção da imagem de afirmação positiva, ensinando ao anacronismo excludente como ela é, e deve ser tratada, na sociedade de contemporaneidade inclusiva.

Abstract 245 | PDF Downloads 74

Referências

Agamben, Giorgio. O cinema de Guy Debord. Território de filosofia. Aurora Baêta. 26 de maio de 2014. Disponível em: https://territoriosdefilosofia.wordpress.com/2014/05/26/o-cinema-de-guy-debord-giorgio-agamben/ Acesso em: 01 maio 2020. Texto originalmente publicado em: Agamben, Giorgio. L. in: Image et mémoire, Hoëbeke, 1998, pp. 65-76.
Almeida, Rogério de. Cinema e educação: fundamentos e perspectivas. Educ. rev. [online]. 2017, vol.33, e153836. Epub Apr 03, 2017. ISSN 0102- 4698. https://doi.org/10.1590/0102-4698153836.
Atlas da violência 2019. Organizadores: Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada; Fórum Brasileiro de Segurança Pública. Brasília: Rio de Janeiro: São Paulo: Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada; Fórum Brasileiro de Segurança Pública. ISBN 978-85-67450-14-. Disponível em: Acesso em 12 de set. 2019.
Araújo, Joel Zito. A Negação do Brasil: o negro na telenovela brasileira. 2ª ed. Senac. São Paulo. 2004.
Avelar, Juarez. 50 contos que a vida em contou – Livro de memórias. São Paulo. Life editora. 2018. p. 63 e 65.
Barravento. Direção de Glauber Rocha. Lançamento em 1969 na França. Produtora Iglu Filmes Produção: Rex Schindler, Braga Netto 1962. (1h20m).
Benjamim, Walter. A obra de arte na era de sua reprodutibilidade técnica. Porto Alegre. Zouk. 2012.
Cardoso. Maurício. O cinema tricontinental de Glauber Rocha: política, estética e revolução (1969 – 1974). Tese de doutorado pela Universidade de São Paulo, Faculdade de Filosofia, Letras e ciências Humanas. Departamento de História. São Paulo – 2007. Disponível em: < file:///C:/Users/usuario/Downloads/Tese_mauricio_cardoso.pdf > acesso em 17 maio 2017.
Carvalho. Noel dos Santos; Domingues, Petrônio. A representação do negro em dois manifestos do cinema brasileiro. Revista Estudos avançados Estud. av. vol.31 no .89 São Paulo Jan./Abr. 2017. Disponível em: https://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0103-40142017000100377> Acesso em 30 de abr. 2020.
Césaire, Aimé. Discurso sobre o colonialismo. Ed. Cadernos para o diálogo. Porto. 1971, p. 5 e 6.
Cinco Vezes Favela. Direção: Marcos Farias, Miguel Borges, Cacá Diegues, Joaquim Pedro de Andrade, Leon Hirszman. Produtora o Centro Popular de Cultura (CPC) da União Nacional dos Estudantes. 1962. (92min).
Deleuze, Gilles. Cinema: a imagem-movimento. Tradução Stella Sena. São Paulo. Editora Brasiliense, 1983.
______. Cinema I: A imagem-movimento. São Paulo, SP: Brasiliense, 1985.
O Dragão da Maldade Contra o Santo Guerreiro. Direção: Glauber Rocha. Produção Mapa Filmes. 1969 (1h40min).
Duarte, Rosália. Cinema & Educação. Belo Horizonte: Autêntica, 2002.
Gerber, Raquel. Glauber Rocha e a experiência inacabada do cinema novo, Coleção cinema, v.1, Rio de Janeiro. Paz e Terra, 1977.
Holanda, Sérgio Buarque de. Raízes do Brasil. Companhia das letras. 1999, São Paulo, (Trabalho original publicado em 1936).
Instituto Ethos. Perfil social, racial e de gênero das 500 maiores empresas do Brasil e suas ações afirmativas / Instituto Ethos e Banco Interamericano de Desenvolvimento. 2016. Disponível em: Acesso em 14 set. 2019.
Leão De Sete Cabeças. Direção: Glauber Rocha. Paris: Polifilm; Claude Antoine Filmes, 1971(01:03 Hrs.).
Marx, Karl. Engels, Friedrich. Manifesto do Partido Comunista. Ed. Ridendo Castigat More. Edição eletrônica. eBooks Brasil.com Disponível em: < http://www.ebooksbrasil.org/adobeebook/manifestocomunista.pdf> Acesso em: 28 ago.2017.
O Menelick. Nabor Jr. é fundador-diretor. Colaboração Akins Kinte. Na sala com Ari. Julho 2014. Disponível em: http://www.omenelick2ato.com/fotografia-e-cinema/na-sala-com-ari>. Acesso em: 30 abr. 2020.
Morais-Alexandre, Paulo J. Estereótipo na criação de uma dramaturgia para o figurino do negro, e não só, no cinema. In: 15ª Mostra Internacional do Cinema Negro. Celso Luiz Prudente (Org.). 1 ª. ed. São Paulo: Sesc, 2019. 148p
Oliveira, F. R.; Prudente C. L. A lusofonia de horizontalidade da imagem do ibero-ásio-afro-amerindio versus a verticalidade da hegemonia imagética do euro-hétero-macho-autoritário: a dimensão pedagógica do cinema negro posto em questão. 1ªed.Portugal: AULP, 2017, v. 1, p. 107-116.
Palma, Ana. Monteiro Lobato e a origem do Jeca Tatu. Invivo. Fiocruz Fundação Oswaldo Cruz. Publicada em 29 de Nov. 2009. Disponível em: Acesso em 03 nov. 2019
Por quê a Eritreia?. Direção: Ari Cândido. Produção: Ari Cândido. 1978
Prudente, Celso Luiz. A dimensão pedagógica do Cinema Negro: a imagem de afirmação positiva do íbero-ásio-afro-ameríndio. Revista Extraprensa, v. 13, p. 5-305, 2019a. Disponível em: acesso em: 01 maio 2020.
_____; Silva, D. C. A dimensão pedagógica do cinema negro aspectos de uma arte para a afirmação ontológica do negro brasileiro: O olhar de Celso Prudente. 2ª. ed. São Paulo: Anita Garibaldi, 2019b. 195p.
_____. A dimensão pedagógica do cinema negro. Avanca Cinema 2018 Conferência Internacional de Cinema, arte, tecnologia e comunicação. Capítulo II Cinema. 1ed.Avanca Portugal: Cine-clube Avanca, 2018, v. 1, p. 2-794.
Ramos, Fernão. História do cinema brasileiro, São Paulo, Art. Editora, 1960.
Rio 40 Graus. Direção: Nelson Pereira dos Santos, Associação Brasileira de Críticos de Cinema (Abracine). 1955. (100min).
Schwarcz, Lilia M. Sérgio Buarque de Holanda e essa tal de “cordialidade” Ide (São Paulo) v.31 n.146 São Paulo jun. 2008. Disponível em: http://pepsic.bvsalud.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0101-31062008000100015> Acesso em: 01 maio 2020.
Vandré, Geraldo. Para não dizer que não falei das flores. Letras. Legendado por Rebeca e Jonas.. Composição de Geraldo Vandré. Disponível em: https://www.letras.mus.br/geraldo-vandre/46168/> Acesso em 12 set. 2019.