O Silêncio Anticolonial de Conrad e Eça, ou a Impossível Arte de Narrar o Horror

##plugins.themes.bootstrap3.article.main##

José Carlos Siqueira

Keywords

Joseph Conrad, Eça de Queirós, Literatura anticolonial

Resumo

Edward Said, em um de seus últimos trabalhos: Cultura e imperialismo de 1993, considera a novela O coração das trevas, de Joseph Conrad, a expressão literária do colonialismo europeu no século XIX. O romance de Eça de Queirós, A ilustre casa de Ramires, também é avaliado por muitos como uma apologia ao colonialismo português. No entanto, as próprias reflexões de Said sobre a obra de Conrad revelam algumas possibilidades de leitura que o crítico não desenvolveu. Este artigo propõe comparar as duas obras ficcionais para ultrapassar as interpretações consagradas a elas. Para isso, serão usados conceitos elaborados por Giorgio Agamben, como “inapreensibilidade” e “narrativa do horror”. A análise e a metodologia aqui empregadas sugerem que o texto ficcional mais importante nessas duas obras é aquele que não está escrito, e que tal texto elíptico só pode ser vislumbrado pelo leitor a partir da fricção das várias narrativas tecidas no interior das obras.

Abstract 52 | PDF Downloads 47

Referências

Agamben, Giorgio. 1993.A comunidade que vem. Trad. de António Guerreiro. Lisboa: Presença.
_________.2004. Homo sacer: o poder soberano e a vida nua I. Trad. de Henrique Burigo. Belo Horizonte: Ed. UFMG.
_________. 2007a.Estâncias: A palavra e o fantasma na cultura ocidental. Trad. de Selvino José Assmann. Belo Horizonte: Editora UFMG.
_________. Profanações.2007b. Tradução de Selvino José Assmann. São Paulo: Boitempo.
_________. 2008.O que resta de Auschwitz: o arquivo e a testemunha: Homo Sacer III. São Paulo: Boitempo.
Benjamin, Walter. 1985.Magia e técnica, arte e política: ensaios sobre literatura e história da cultura. S. Paulo: Brasiliense.
Candido, Antônio.1964. “Entre campo e cidade”. In: Candido, Antônio (Org). Tese e antítese. São Paulo, Nacional, p. 31-56.
Conrad, Joseph. 2004[1902]. O coração das trevas. Trad. Celso N. Paciornik. São Paulo: Iluminuras
Gide, André.1992. Journal 1889-1939. Paris: Gallimard.
Kant, Immanuel.1994. Crítica da Razão Pura. Lisboa: Fundação Calouste Gulbenkian.
OLIVEIRA, Claudio.2008. A linguagem e a morte. In: Pucheu, Alberto (Org.). Nove abraços no inapreensível: filosofia e arte em Giorgio Agamben. Rio de Janeiro: Beco do Azougue: FAPERJ, p. 101-132.
Pucheu, Alberto. 2008.Estâncias. In: Pucheu, Alberto (Org.). Nove abraços no inapreensível – Filosofia e arte em Giorgio Agamben. Rio de Janeiro: Beco do Azougue; FAPERJ, p.45-73.
Queirós, Eça de. 1999.A ilustre Casa de Ramires. Edição Crítica das Obras de Eça de Queirós. Lisboa: Imprensa Nacional-Casa da Moeda.
Said, Edward. 1995. Cultura e Imperialismo. São Paulo: Companhia das Letras.
Saraiva, António José. 1982 [1946].As ideias de Eça de Queiroz. Lisboa, Liv. Bertrand.
Sedlmayer, Sabrina. 2011. O pensamento crítico de Giorgio Agamben e sua contribuição para os estudos literários. Revista FronteiraZ, São Paulo, n. 7, dezembro de 2011. Disponível em: . Acesso em: 10 abr. 2012.
Todorov, Tzvetan. 2006. As estruturas narrativas. Trad. de Leyla Perrone-Moisés. São Paulo, Perspectiva, 2006.