Qualidade da Água para Consumo Humano na Cidade do Uíge (Angola) Água Tratada do Sistema de Abastecimento Público e Água não Tratada de Fontes Alternativas

##plugins.themes.bootstrap3.article.main##

Paulo Manuel
Anabela A. Leitão
Rui A. R. Boaventura

Keywords

água para consumo humano, água tratada, água de fontes alternativas, doenças de veiculação hídrica, saúde pública

Resumo

Estima-se que cerca de 85% das doenças nos países em desenvolvimento são de veiculação hídrica e devem-se maioritariamente ao consumo de água de má qualidade. Neste
trabalho avaliou-se a qualidade físico-química e microbiológica da água consumida pela população da cidade do Uíge. Foram realizadas quatro campanhas de amostragem em 10
pontos do sistema de abastecimento público, em três furos e nove cacimbas, e foram analisados 21 parâmetros físico-químicos e dois microbiológicos. Os resultados mostram que
a água, à saída dos sistemas de tratamento, se pode considerar de boa qualidade apenas na ETA nova, sendo a proveniente de torneiras e furos artesianos própria para consumo
em termos físico-químicos mas imprópria do ponto de vista microbiológico. A água das cacimbas é de muito má qualidade. Foi detetada contaminação bacteriológica em cerca
de 58% das amostras de água das torneiras, em mais de 80% das amostras dos furos e em quase 100% das amostras das cacimbas, tornando-se a situação mais grave na época da
chuva. Concluiu-se que há uma relação entre as doenças que atingem estas populações e a qualidade da água que consomem.

Abstract 496 | PDF Downloads 2402