O ideário naturalista do século XIX Perspectiva teórica na representação em “Zambeziana-Cenas da Vida Colonial”, de Emílio de San Bruno

##plugins.themes.bootstrap3.article.main##

Lucério Sarmento Gundane

Keywords

código temático; imagem; naturalismo; representação.

Resumo

O presente ensaio integrado na história literária pretende descrever as principais linhas temáticas do naturalismo que podem ser associadas às personagens representadas em Zambeziana-Cenas da Vida Colonial, de Emílio de San Bruno. O romance foi publicado em 1927 e reeditado em 1999 pelo Arquivo Histórico de Moçambique e enquadra-se na fase exótica da literatura colonial, traduzindo, em muitos dos seus segmentos descritivos, o deslumbramento que a descoberta do ‘Outro’ provoca no espírito dos europeus. É importante reiterar que a literatura colonial portuguesa dominada sobretudo pela representação de África em termos simbólicos e ideológicos teve o seu início no século XX, conhecendo a sua vitalidade assinalável com o advento do Estado Novo, em 1926. Tendo a narratologia como área teórica, a partir deste texto colonial demonstrou-se que não só se deve encarar o exotismo (sob o ponto de vista estético e ideológico) como um factor subjacente à literatura colonial, mas também foi possível descobrir outras tendências literárias a ela associadas como é o caso da estética do naturalismo. Concluiu-se que a sexualidade tal como era concebida pelo naturalismo é o elemento estruturador da representação de N’fuca.

Abstract 394 | PDF Downloads 205

Referências

Argan, G. C. (1995). Arte e Crítica de Arte. 2.ª Edição. Lisboa: Editorial Estampa.
Barros, T. J. M. (2005). Representação da Mulher em Zambeziana-Cenas da Vida Colonial, de
Emílio de San Bruno. [Tese de Licenciatura não publicada]. Maputo: UEM.
Brookshaw, D. (2000). Entre o real e o imaginado: o Oriente na narrativa colonial portuguesa. In: Revista Vereda n.° 3. Porto: Fundação Eng. António de Almeida, p. 32-42.
Bruno, E. S. (1999). Zambeziana-Cenas da Vida Colonial. Maputo: Arquivo Histórico de Moçambique.
Capela, J. (1999). Introdução Histórica. In: Bruno, Emílio de San. Zambeziana-Cenas da Vida Colonial. Maputo: Arquivo Histórico de Moçambique, p. iii-viii.
Chapman, M. (1996). Southern African Literatures. New York: Longman.
Ferreira, M. Literaturas Africanas de Expressão Portuguesa. (s/l), 1997. Disponível em: < http://blogspot.com/2008/05/manuel-ferreira-literaturas-africanas.htm>l. Acesso em 13 de
Maio de 2010.
Laranjeira, P. (1995). Literaturas Africanas de Expressão Portuguesa. Lisboa: Universidade Aberta.
Machado, A. M.; Pageaux, D. H. (1988). Da Literatura Comparada à Teoria da Literatura. Lisboa: Edições 70.
Mata, I. (1993). Emergência e Existência de uma Literatura: O caso Santomesse. Lisboa: ALAC.
Mendonça, F. (1999). Zambeziana ou o Discurso Exótico a Várias Vozes [comentário crítico]. In: Bruno, Emílio de San. Zambeziana-Cenas da Vida Colonial. Maputo: Arquivo Histórico de Moçambique, p. ix-xx.
Mouralis, B. (1982). As Contraliteraturas. Coimbra: Livraria Almedina.
Noa, F. (2000). Império, Mito e Miopia: Moçambique como Invenção Literária. Lisboa: Editorial Caminho.
Noa, F. (1999). Literatura Colonial em Moçambique: O Paradigma Submerso. In: Via Atlântico n°3. São Paulo.
Reis, C.; Lopes, A. C. (2004). Dicionário da Narratologia. 7.ª Edição. Coimbra: Livraria Almedina.
Reis, C. (1999). O conhecimento da Literatura: Introdução aos Estudos Literários. 2.ª Edição. Coimbra: Livraria Almedina.
Reis, C. (1992). Técnicas de Análise Textual. 3.ª Edição. Coimbra: Livraria Almedina.
Said, E. W. (1990). Orientalismo: O Oriente como Invenção do Ocidente. [tradução de Tomás Rosa Bueno]. São Paulo: Companhia das Letras.
Silva, V. M. A. E. (1983). Teoria da Literatura. 6.ª Edição. Coimbra: Livraria: Almedina.
Tacca, Ó. (1983). As Vozes do Romance. Coimbra: Livraria Almedina.
Zola, E. (s/d). Nana. (s/l): Publicações Europa-América.