A aula de PLNM com enfoque comunicativo o ensino de vocabulário e o lugar do dicionário

##plugins.themes.bootstrap3.article.main##

Davi Borges de Albuquerque https://orcid.org/0000-0002-1941-6925

Keywords

português língua não materna (PLNM); dicionário; vocabulário; ensino e aprendizagem de língua estrangeira.

Resumo

O objetivo deste artigo é discutir o ensino de vocabulário e sua relação com o uso do dicionário, bem como outras técnicas e estratégias de aprendizagem na aula de Português Língua Não Materna (PLNM), orientada pela abordagem e métodos comunicativos. Assim, são discutidos alguns aspectos teóricos da importância do uso do dicionário e do aprendizado de vocabulário em língua estrangeira, bem como é apresentada uma proposta de atividade comunicativa que contemple tanto o uso do dicionário, quanto a aprendizagem do vocabulário na sala de aula de PLNM. Finalmente, como não há um consenso entre os pesquisadores em relação aos efeitos que o uso do dicionário pode causar no aprendente de uma língua estrangeira, considera-se, com base que no que exposto no texto, que o uso do dicionário (monolíngue ou bilíngue) na aula de PLNM é importante, desde que o aluno seja ensinado a consultá-lo e utilize-o apenas como um auxílio em sua aprendizagem, para não se tornar dependente, fazendo com que possa atrapalhar seu desenvolvimento na língua-alvo, no caso, o português.

Abstract 354 | PDF Downloads 214

Referências

Almeida Filho, J. C. (1993). Dimensões comunicativas no ensino de línguas. Campinas: Pontes Editores.
Almeida Filho, J. C. (2017). Ensinar línguas começando pelo plano de curso. Revista de Estudos de Cultura, 7(1), 71-82.
Almeida Filho, J. C., & Barbirato, R. C. (2000). Ambientes comunicativos para aprender língua estrangeira. Trabalhos de Linguística Aplicada, 36, 23-42.
Barbirato, R. C., & Silva, V. L. (2016). Planejamento de cursos de Línguas: Traçando Rotas e Explorando Caminhos. Campinas: Pontes Editores.
Basílio, M. (1980). Estruturas lexicais do português. Petrópolis: Vozes.
Beglar, D., & Hunt, A. (2002). Implementing task-based language teaching. In J. Richards &
W. Renandya (Eds.). Methodology in Language Teaching: An Anthology of Current Practice (pp. 2276-2280). Nova York: Cambridge University Press.
Biderman, M. T. (1996). Léxico e vocabulário fundamental. Alfa, 40, 27-46.
Biderman, M. T. (2002). Análise de dois dicionários gerais do Português Brasileiro contemporâneo: o Aurélio e o Houaiss. Revista de Filologia e Linguística Portuguesa, 5(1), 85-116.
Brown, H. D. (2002). Principals of Language Learning and Teaching. New Jersey: Prentice Hall.
Byrnes, H. (2005). Content-based foreign language instruction. In C. Sanz (Ed.). Mind and context in adult second language acquisition: Methods, theory, and practice (pp. 282-302). Washington: Georgetown University Press.
Carrilho, A. R. (2015). Aprendizagem Estratégica de Vocabulário em Português Língua Segunda e Português Língua Estrangeira (Tese de Doutoramento). Universidade da Beira Interior, Covilhã, Portugal.
Castilho, A. T. (1998). A língua falada no ensino de português. São Paulo: Contexto.
Chamot, A. U. (2004). Issues in language learning strategy research and teaching. Electronic Journal of Foreign Language Learning, 1(1), 14-26.
Coady, J. (1997). L2 vocabulary acquisition: a synthesis of the research. In J. Coady & T.
Huckin (Eds.). Second Language Vocabulary Acquisition: A Rationale for Pedagogy (pp. 273- 290). Cambridge: Cambridge University Press.
Cohen, A. (2012). Strategies: the Interface of styles, strategies, and motivation on tasks. In S. Mercer, S. Ryan & M. Williams (Eds.). Psychology for Language Learning: Insights from Research, Theory and Practice (pp. 136-150). Basingstoke: Palgrave Macmillan.
Coseriu, E. (1981). Principios de semántica estructural. Madri: Gredos.
Damim, C., & Peruzzo, M. (2006). Uma descrição dos dicionários escolares no Brasil. Cadernos de Tradução, 2(18), 93-113.
Davies, A., & Elder, C. (2004). Applied linguistics: subject to discipline? In A. Davies & C. Elder (Ed.). The Handbook of Applied Linguistics (pp. 1-15). Oxford: Blackwell.
Duran, M. S., & Xatara, C. M. (2007). Lexicografia pedagógica: atores e interfaces. D. E. L. T. A., 27(2), 203-222.
Figueiredo, O. (2011). Ensino-Aprendizagem do Léxico. Orientações Metodológicas. In I. Duarte & O. Figueiredo (Org.). Português. Língua e Ensino. (pp. 345 -362). Porto: Universidade do Porto.
Finger-Kratochvil, C. (2010). Estratégias para o desenvolvimento da competência lexical: relações com a compreensão em leitura (Tese de Doutoramento). Universidade Federal de Santa Catarina, Santa Catarina, Brasil.
Franceschini, A. (2014). A relação da competência comunicativa com o planejamento temático baseado em tarefas em um curso de português língua estrangeira (Dissertação de Mestrado). Universidade Federal de São Carlos, São Carlos, Brasil.
Franco, M. M., & Almeida Filho, J. C. P. (2009). O conceito de competência comunicativa em retrospectiva e perspectiva. Revista Desempenho, 10(1), 4-22.
Fuertes-Olivera, P. (2009). Specialised Lexicography for Learners: Specific Proposals for the Construction of Pedagogically-oriented Printed Business Dictionaries. Hermes – Journal of Language Communication Studies, 42(1), 167-188.
Fuertes-Olivera, P. (2017). Introduction. Lexicography in the Internet era. In: P. Fuertes-Olivera (Ed.). The Routledge Handbook of Lexicography (pp. 1-9). Londres: Routledge.
Genouvrier, E., & Peytard, J. (1974). Linguística e Ensino do Português. Coimbra: Almedina.
Gu, Y. (2003). Vocabulary Learning in a Second Language: Person, Task, Context and Strategies. Tesl-Ej, 7. Recuperado a partir de: https://www.tesl-ej.org/ej26/a4.html.
Hartmann, R. R. K. (1999). Case Study: The Exeter University survey of dictionary use. In R. K. K. Hartmann (Ed.). Thematic Network Projects, Sub-project 9 – Dictionaries. Dictionaries in Language Learning, Final Report Year Three, 1999 (pp. 36-52). Recuperado a partir de: www.fu-berlin. de/elc/tnp1/SP9dossier.doc tnp 1.
Klein, W. (2015). Lexicology and lexicography. In N. Smelser & P. Baltes (Eds.). International Encyclopedia of the Social & Behavioral Sciences (2ª ed., Vol. 13, pp. 938-942). Amsterdam: Elsevier.
Larsen-Freeman, D. (1986). Techniques and Principles in Language Teaching. Nova York: Oxford University Press.
Laufer, B., & Hadar, L. (1997). Assessing the effectiveness of monolingual, bilingual, and “bilingualised” dictionaries in the comprehension and production of new words. The Modern Language Journal, 81(1), 189-196.
Lawson, M., & Hogben, D. (1996). The Vocabulary‐Learning Strategies of Foreign‐Language Students. Language learning, 46(1), 101-135.
Leffa, V. (1988). Metodologia do ensino de línguas. In H. I. Bohn & P. Vandresen (Orgs.). Tópicos em linguística aplicada: o ensino de línguas estrangeiras (pp. 211-236). Florianópolis: UFSC.
Liu, L. (2014). The Integration of Dictionary Use Strategy Training into Basic English Class. Theory and Practice in Language Studies, 4(10), 2138-2143.
Macedo, C. (2016). (Re)planejamento como Política Institucional de Ensino de Línguas (Dissertação de Mestrado). Universidade de Brasília, Brasília, Brasil.
Mondria, J.-A., & Mondria-De Vries, S. (1994). Efficiently memorizing words with the help of word cards and “hand computer”: Theory and applications. System, 22(1), 47-57.
Monteiro, H. D. (2014). Contributo das atividades lúdicas para o desenvolvimento de competências comunicativas e culturais em português língua estrangeira para estudantes chineses (Dissertação de Mestrado). Universidade do Minho, Braga, Portugal.
Nesi, H. (1999). The Specification of Dictionary Reference Skills in Higher Education. In R.
K. K. Hartmann (Ed.). Thematic Network Projects, Sub-project 9 – Dictionaries. Dictionaries in Language Learning, Final Report Year Three, 1999 (pp. 53-67). Recuperado a partir de: www. fu-berlin. de/elc/tnp1/SP9dossier.doc tnp 1.
Nesi, H., & Meara, P. (1994). Patterns of misinterpretation in the productive use of EFL dictionary definitions. System, 22(1), 1-15. Oxford, R., & Crookall, D. (1990). Vocabulary Language: A critical Analysis of Teaching.TESL Canada Journal, 7(2), 9-30.
Oxford, R., & Scarcella, R. (1994). Second language vocabulary learning among adults: state of art in vocabulary instruction. System, 22(1), 231-243.
Pontes, A. L. (2009). Dicionário para uso escolar. O que é, como se lê. Fortaleza: EdUECE.
Salvador, G. (1985). Semántica y Lexicología del Español: estúdios y lecciones. Madri: Paraninfo.
Schmitt, N., & Celce-Murcia, M. (2002). An overview of applied linguistics. In N. Schmitt (Ed.). An Introduction to Applied Linguistics (pp. 1-16). Londres: Arnold.
Schmitt, N., & Schmitt, D. (1995). Vocabulary notebooks: Theoretical underpinnings and practical suggestions. ELT Journal, 49(2), 133-143.
Silva, H. (2013). Oficina Lexical: um contributo para o desenvolvimento da competência lexical no ensino/aprendizagem do Português Língua Estrangeira (Dissertação de Mestrado). Universidade do Porto, Porto, Portugal.
Silva, A. L., Simão, A. M., & Sá, I. (2004). A auto-regulação da aprendizagem: estudos teóricos e empíricos. Intermeio: Revista do Programa de Pós-Graduação em Educação (UFMS), 10(19), 58-74.
Sterkenburg, P. (2003). A Practical Guide to Lexicography. Amsterdam/Philadelphia: John Benjamins.
Stodolsky, S. (1990). Classroom observation. In J. Millman & L. Darling-Hammond (Eds.). The new handbook of teacher evaluation: Assessing elementary and secondary school teachers (pp. 175-190). Londres: Sage.
Summers, D. (1988). The Role of Dictionaries in Language Learning. In R. Carter & M. Mccarthy (Eds.). Vocabulary and Language Teaching. (pp. 111-125). Londres: Longman.
Tarp, S. (2017). Lexicography as an independent science. In P. Fuertes-Olivera (Ed.). The Routledge Handbook of Lexicography (pp. 19-33). Londres: Routledge.
Veloso, A. J. (2016). O dicionário na aprendizagem de Línguas Estrangeiras: uma reflexão acerca do seu papel no processo de aprendizagem de Português Língua Estrangeira por sinofalantes (Dissertação de Mestrado). Universidade do Minho, Braga, Portugal.
Viana, N. (1997). Planejamento de cursos de línguas – pressupostos e percurso. In J. C. P. Almeida Filho (Org.). Parâmetros Atuais para o Ensino de Português Língua Estrangeira (pp. 29-48). Campinas: Pontes.
Walker, R., & Adelman, C. (2003). A guide to classroom observation. Nova York/ Londres: Routledge.
Welker, H. A. (2006). Pesquisas sobre o uso de dicionários para aprendizes. Cadernos de Tradução (UFSC), 18(2), 175-194.
Welker, H. A. (2008). Sobre o uso de dicionários. In Anais do CELSUL 2008 (8º Encontro do Círculo de Estudos Lingüísticos do Sul) (pp. 1-17). Porto Alegre: CELSUL.
Wragg, T. (2011). An introduction to classroom observation. Nova York/ Londres: Routledge.
Zhang, L. J. (2000). Uncovering Chinese ESL students’ reading anxiety in a study-abroad context. Asia Pacific Journal of Language in Education, 3(2), 31-56.

Dicionários consultados
Academia das Ciências de Lisboa. (2001). Dicionário da Língua Portuguesa Contemporânea. Lisboa: Academia das Ciências de Lisboa.
Borba, F. (2002). Dicionário de usos do Português do Brasil. Ática: São Paulo.
Dicionário Básico da Língua Portuguesa. (2017). Porto: Porto Editora.
Dicionário da Língua Portuguesa com Acordo Ortográfico. Recuperado a partir de: https:// www.infopedia.pt/ajuda/dicionarios/lingua-portuguesa/.
Dicionário Escolar da Língua Portuguesa (2017). Porto: Porto Editora.
Dicionário online português – Michaelis. Recuperado a partir de: http://michaelis.uol.com.br/moderno/portugues/index.php?lingua=portuguesportugues&palavra=inferir.
Dicionário Priberam da Língua Portuguesa. Recuperado a partir de: http://www.priberam.pt/dlpo/lexicografia.
Ferreira, A. B. H. (2010). Dicionário Aurélio da Língua Portuguesa (5ª ed.). Curitiba: Positivo.
Ferreira, A. B. H. (2010). Mini Aurélio. O dicionário da língua portuguesa (8ª ed.). Curitiba: Positivo.
Grande Dicionário da Língua Portuguesa (2014). Porto: Porto Editora.
Houaiss, A. (2001). Grande Dicionário Houaiss da Língua Portuguesa. Rio de Janeiro: Instituo Antônio Houaiss.
Sacconi, L. A. (2001). Dicionário Essencial da Língua Portuguesa (1ª ed.). São Paulo: Atual.