Do desenvolvimento da danc?a teatral em Portugal no po?s-25 de abril de 1974 circunstâncias, representações, encontros

##plugins.themes.bootstrap3.article.main##

Maria José Fazenda

Keywords

dança contemporânea; Portugal; condições; representações; encontros.

Resumo

A dança teatral em Portugal atesta um assinalável desenvolvimento a seguir à Revolução de Abril de 1974. Do novo panorama destacam-se três aspetos: a redefinição e a expansão do repertório do Ballet Gulbenkian, de que procedem a visibilidade que adquire o coreógrafo Vasco Wellenkamp e a emergência da linguagem reformadora de Olga Roriz; a criação da Companhia Nacional de Bailado; e a diversificação das orientações estéticas e dos projetos artísticos independentes, no âmbito da então designada Nova Dança Portuguesa. Neste trabalho, o meu objetivo é perceber, de forma encadeada, que condições favorecem o crescimento da dança em Portugal, a diversificação de projetos e estéticas, e que relações entre as pessoas os instigam ou propiciam, nos termos em que a articulação destes três domínios - condições, representações e relações - é formulada pelo cientista social Steven Vertovec (2015), no âmbito dos estudos sobre a diversidade.

Abstract 263 | PDF Downloads 68

Referências

Assis, M. (1995). Movimentos. Lisboa: Danças na Cidade.
Decreto-Lei nº 460/82, de 26 de novembro. Dia? rio da Repu? blica n.º 274, Série I. Lisboa: Ministério da Cultura e Coordenação Científica.
Decreto-Lei nº 245/97, de 18 de setembro. Diário da República nº 216, I Série-A: Ministério da Cultura.
Despacho nº 41/96, de 6 de junho. Diário da República nº 157, II Série: Ministério da Cultura.
Despacho Normativo nº 51/96, de 6 de dezembro. Diário da República nº 282, I Série-B: Ministério da Cultura.
Fazenda, M. J. (1994, 26 de abril). Caminhos e atalhos de duas companhias. Público, 33.
Fazenda, M. J. (1996, 5 de julho). A incorporação de dois mitos. Público, 27.
Fazenda, M. J. (Ed.). (1997). Movimentos presentes: Aspectos da dança independente em Portugal. Lisboa: Edições Cotovia e Danças na Cidade.
Fazenda, M. J. (1999, 26 de fevereiro). Vera Mantero (quase) total. Público. Artes e Ócios, pp. 6-7.
Fazenda, M. J. (2012). Dança teatral: Ideias, experiências, ações (2ª ed. revista e atualizada). Lisboa: Edições Colibri, Instituto Politécnico de Lisboa. (Trabalho originalmente publicado em 2007.)
Fazenda, M. J. (2014). Uma intensa presença do corpo: A dança em Portugal no contexto de uma democracia recente. Sinais de Cena, 22, pp. 84-86.
Fazenda, M. J. (2018). Da Vida da Obra Coreográfica. Lisboa: Imprensa Nacional.
Guerreiro, M. (2008). Olga Roriz. Lisboa: Assírio e Alvim.
Guerreiro, M. (2017). O Essencial sobre A Companhia Nacional de Bailado. Lisboa: Imprensa Nacional.
Leça, C. P. (1991). Ballet Gulbenkian: 25 anos. Colóquio Artes, 91: 61-67.
Lepecki, A. (1991, 16 de julho). Europália’91: Quatro para Klapstuk. Blitz. Disponível em http://sarma.be/docs/1102.
Lyzarro, M. (1996). O registo da emoção lírica: Considerações sobre o ballet de Wellenkamp. Colóquio Artes, 111: 54-67.
Mendo, G. (1991). La démocratisation dans la danse portugaise depuis avril 1974. Alternatives Théâtrales, 39: 57-60.
Mendo, G. (1997). Agir em parceria: Algumas notas sobre o apoio do Ministério da Cultura à criação e produção coreográfica de iniciativa não governamental. In M. J. Fazenda (Ed.), Movimentos Presentes: Aspectos da Dança Independente em Portugal (pp. 129-131). Lisboa: Edições Cotovia e Danças na Cidade.
Mendo, G. (2008, 29 de abril). Testemunho. Comunicação apresentada no âmbito da Festa da Dança, Lx. Factory, Lisboa.
Ribeiro, A. P. (1991). 1965-1990: Vinte Anos de Ballet Gulbenkian e a Nova Dança Portuguesa. In J. Sasportes & A. P. Ribeiro, História da Dança (pp. 56-95). Lisboa: Imprensa Nacional-Casa da Moeda.
Ribeiro, A. P. (1994). Dança Temporariamente Contemporânea. Lisboa: Vega.
Salavisa, J. (2012). Dançar a Vida: Memórias. Lisboa: D. Quixote.
Santos, M. L. L. (Ed.). (1998). As Políticas Culturais em Portugal. Relatório Nacional. Lisboa: Observatório das Actividades Culturais.
Santos, S. J. (2001). Companhia Nacional de Bailado: 25 anos. Lisboa: Companhia Nacional de Bailado.
Sasportes, J. (1970). História da dança em Portugal. Lisboa: Fundação Calouste Gulbenkian.
Sasportes. J. (1991). Trajectória da dança teatral portuguesa. In J. Sasportes & A. P. Ribeiro, História da Dança (pp. 5-51). Lisboa: Imprensa Nacional Casa da Moeda. (Trabalho originalmente publicado em 1979.)
Sasportes, J., Assis, M., & Coelho, H. (1994). Dançaram em Lisboa: 1900-1994. Lisboa: Lisboa’94 - Capital Europeia da Cultura.
Vargas, C. (2000). Companhia Nacional de Bailado: uma companhia futurante. Adágio, 27: 24-32.
Vertovec, S. (2015). Introduction: Formulating diversity studies. In S. Vertovec (Ed.), Routledge International Handbook of Diversity Studies (pp. 1-20). London: Routledge.
Vieira, A. M. B. (2016). No Aleph para um olhar sobre o Serviço ACARTE da Fundação Calouste Gulbenkian entre 1984 e 1989 (Tese de Doutoramento). Universidade Nova de Lisboa, Portugal.
Wellenkamp, V. (1998). O Resto é o Futuro… Entrevista com o coreógrafo Vasco Wellenkamp (conduzida por Maria José Fazenda). Adágio, 20: 13-23.