Da necessidade do regresso para as raízes culturais O drama dos colonizados

##plugins.themes.bootstrap3.article.main##

André Ferdinand Takounjou Ngueho

Keywords

escravatura; colonização; negritude; crioulização.

Resumo

A história da África está marcada por dois eventos devastadores: a escravidão e a colonização. Da escravidão, o continente sofreu várias vítimas. O navio negreiro engoliu grande parte da juventude Africana. Muitos pais foram privados de sua progenitura. As consciências foram marcadas de forma indelével. No entanto, entre aqueles que, apesar disso, deixaram o continente e aqueles que ficaram há uma ligeira diferença. O segundo evento sujou a consciência dos africanos que ficaram. É nesta perspetiva que o duo martiniquense Césaire-Fanon fala de atropelamento cultural ou de bloqueio identitário pois o colonizado até dúvida da sua própria existência. Ele é, portanto, cortado das suas fontes e raízes culturais para sofrer um enxerto forçado. Mas a cultura imposta embora dominante, ainda não limpa por completo a cultura local. Há uma sobrevivência da autoctonia no esquema cultural em que navega o colonizado sob dominação estrangeira. O nível mais visível é o linguístico. Vai nascer um falar crioulo que é uma mistura da língua do colono com alguns vestígios
do falar indígena. É portanto neste contexto de distorção cultural que surge a noção de regresso para as raízes culturais africanas tão celebrado pelos mentores da Negritude nomeadamente Aimé Césaire da Martinica ou Francisco José Tenreiro de São Tomé e Príncipe.

Abstract 331 | PDF Downloads 145

Referências

Aguiar e Silva, V.M. (2008). Teoria e metodologia literárias. Lisboa: Universidade Aberta.
Bragança, A. (1997). Rosa do Riboque. Lisboa: Editorial Caminho.
Césaire, A. (1983). Cahier d’un retour au pays natal. Paris: Présence africaine.
Cunha, C. M. F da. (2009). “A questão da “especificidade” do pós-colonialismo português”. In Actas do VI Congresso da Associação de Literatura Comparada/X Colóquio de Outono Comemorativo das Vanguardas, do Centro de Estudos Humanísticos da Universidade do Minho,
pp. 1-12.
Dyserinck, H. (1980). « Die Quellen der Négritude-Theorie als Gegenstand komparatistischer Imagologie» In: Komparatistische Hefte. Bayreuth, vol. 1, p. 31-40. Trad. Karola Maria Augusta Zimber, pesquisadora do grupo RELLIBRA – “Relações linguísticas e literárias Brasil-Alemanha.
Espírito Santo, A. (2006). Cantos do solo sagrado.
Fanon, F. (1952). Peau noire, masques blancs. Paris: Seuil, rééd. Seuil, coll. «Point/Essais», 1971.
Fanon, F. (1961). Les Damnés de la terre. Paris: François Maspero.
Haley, A. (1976). Negras raízes. New York: Reynolds Inc.
Mcleod, J. (2007). The roultledge Companion to POSTCOLONIAL STUDIES, London, Routledge.
Sousa, B., “Between Prospero and Caliban: Colonialism, Postcolonialism, and Inter-identity” in Luso-brazilian review, 39/2.