Ensino e aprendizagem do português (L2/LE) por alunos surdos em Moçambique

##plugins.themes.bootstrap3.article.main##

Názia Bavo https://orcid.org/0000-0002-9057-9575
Orquídea Coelho https://orcid.org/0000-0001-7819-7956

Keywords

Língua de Sinais de Moçambique, Alunos Surdos, Ensino do Português, Turmas regulares

Resumo

Sobre educação inclusiva de surdos em Moçambique, impõe-se debater o ensino da língua portuguesa, cuja abordagem bilingue preconiza o ensino/aprendizagem da língua de sinais (LS) como primeira língua (L1) e do português (LP) como segunda língua (L2). Este recorte dum estudo doutoral visa realçar a importância da exposição precoce das crianças surdas a uma LS, neste caso, Língua de Sinais de Moçambique (LSM), e evidenciar a necessidade do ensino da LP ser adequado, respeitando a metodologia e didática da L2 para alunos surdos. Segundo uma abordagem qualitativa, aplicámos o método de observação/registo de aulas e entrevistas semiestruturadas a alunos surdos em turmas regulares. Os resultados indicam: a) a falta de exposição atempada dos surdos à LSM, impede a aquisição de uma língua estruturada e condiciona negativamente a aprendizagem da L2; b) o professor de LP, além de competências linguísticas nas duas línguas (LP e LSM), deve possuir competências extra linguísticas, para exercer o seu papel didático-pedagógico numa perspectiva educativa bilingue para alunos surdos.

Abstract 59 | PDF Downloads 27

Referências

Amado, J. (2014). Manual de investigação qualitativa em educação (2ª ed.). Coimbra: Imprensa da Universidade de Coimbra.
Andreis-Witkoski, S. (2012b). Educação de surdos e preconceito. Curitiba: CRV.
Andreis-Witkoski, S. & Droettes, B. (2014). Educação bilingue de surdos: Implicações metodológicas e curriculares. Educação de surdos em debate (pp. 41-50). UTFPR. Disponível em http:// repositorio.utfpr.edu.br/jspui/bitstream/1/3548/1/educacaosurdos.pdf.
Baptista, J. A. (2008). Os surdos na escola. A exclusão pela inclusão. Vila Nova de Gaia: Fundação António Leão.
Bardin, L. (2011). Análise de conteúdo. São Paulo: Edições 70.
Bavo, N. & Coelho, O. (2019). A pertinência e urgência da língua de sinais (L1) e do português (L2/LE) no currículo dos alunos surdos em Moçambique. Revista E-Curriculum, 17 (3), 909-932. Disponível em https://doi.org/10.23925/1809-3876.2019v17i3p909-932
Bellugi, U. & Klima, E. (1979). The signs of language. New York: Havard University Press.
Bogdan, R. & Biklen, S. (1994). Investigação qualitativa em educação: Uma introdução á teoria e aos métodos. Coleção Ciências da Educação. Porto: Porto Editora.
Bouvet, (1982). La parole de l´enfant sourd. Paris: PUF.
Chimbutane, F. (2012). O uso da língua materna como recurso no processo de ensino e aprendizagem de/em língua segunda. In F. Chimbutane & C. Stroud (Orgs.), Educação bilingue em Moçambique: Refletindo criticamente sobre políticas e práticas (pp. 75 - 104). Maputo: Texto Editores.
Coelho, O. (2010). Surdez, educação e cidadania. Duas línguas para um caminho e para um mundo. In O. Coelho (Org.), Um copo vazio está cheio de ar. Assim é a surdez (pp. 17-100). Porto: Livpsic.
Constituição da República de Moçambique. (1990). Boletim da República, Número 20 . Disponível em http://www.stj.pt/ficheiros/fpstjptlp/mocambique_constituicao.pdf.
Constituição da República de Moçambique. (2004). Boletim da República. Número 51 Disponível em http://www.stj.pt/ficheiros/fpstjptlp/mocambique_constituicao.pdf.
Dizeu, L. & Caparali, S. (2005). A língua de sinais constituindo o surdo como sujeito. Educ. Soc., 26(91), 583-597. Campinas. Disponível em http://www.cedes.unicamp.br.
Dorziat, A. (1998). Releitura da surdez na sociedade e suas implicações educacionais. Cadernos de Educação Especial, (pp.15-27). Santa Maria.
Esporte, R., Seralha, C. & Scorsolini-Comim, F. (2013). Inclusão de surdos: Revisão integrativa da literatura científica. Psico-USF, 18, (1), 77-88. Bragança Paulista. Disponível em http://www.scielo.br/pdf/pusf/v18n1/v18n1a09.pdf.
Gonçalves, P. & Diniz, M. J. (2004). Português no ensino primário: Estratégias e exercícios. Maputo: INDE.
Gonzalez, R. (1995). Comunicación, personalidad y desarrollo. Havana: Editora Pueblo y Educación.
Guarinello, A. C. (2007). O papel do outro na escrita de sujeitos surdos. São Paulo: Plexus.
Instituto Nacional de Estatística. (2017). IV Recenseamento Geral da População e Habitação. Maputo: INE. Disponível em www.ine.gov.mz/...2017/mocambique/censo-2017-brochura-dos-resultados-definitivos.
Karnopp, L. & Quadros, R. (2004). Língua de sinais brasileira: Estudos linguísticos. Porto Alegre: ArtMed.
Lacerda, C., Albres, N. & Drago, S. (2013). Política para uma educação bilíngue e inclusiva a alunos surdos no município de São Paulo. Educ. Pesqui., 39(1), 65-80. São Paulo, SP. Disponível em https://goo.gl/ApRzbB.
Lane, H. (1992). A máscara da benevolência: A comunidade surda amordaçada. Lisboa: Instituto Piaget.
Lima, P. (2006). Educação inclusiva e igualdade social. São Paulo: Avercamp.
Lodi, A. C. (2005). Plurilinguismo e surdez: Uma leitura bakhtiniana da história da educação dos surdos. Educ. Pesqui., 31(3), 409-424. Disponível em http://www.periodicos.usp.br/ep/article/download/27986/29767
Lodi, A. C. (2013). Educação bilingue para surdos e inclusão segundo a Política Nacional de Educação Especial e o Decreto nº 5.626/05. Educ. Pesqui., 39(1), 49-63. São Paulo. Disponível em http://www.scielo.br/pdf/ep/v39n1/v39n1a04.pdf.
Lopes, A. (1997). Política linguística: Princípios e problemas. Maputo: Livraria Universitária.
Ministério da Educação. (2003). Plano curricular do ensino básico: Objectivos, política, estrutura, plano de estudos e estratégias de implementação. Maputo: INDE/MINED.
Ngunga, A. (1993). Língua e transição democrática em Moçambique. In Seminário Transição Democrática e as Ciências Sociais nos PALOP’s. Maputo.
Padden, C. & Humphries, T. (2000). Deaf in America: Voices from a culture. Cambridge: Harvard University Press.
Pereira, J., Gil, C. & Silva, A. (2013). Práticas de tradução e interpretação de língua gestual portuguesa: O contexto académico na Pro – LGP. In O. Coelho, O. & M. Klein (Coord.), Cartografias da surdez. Comunidades, línguas, práticas e pedagogia (pp. 67-77). Porto: Livpsic.
Plaza Pust, C. (2005). Sign Bilingual Education and Inter-modal Language Contact: On the Relation of Psycholinguistic and Pedagogical Fators in Deaf Bilingualism. In J. Cohen, K. McAlister, K. Rolstad, & J. MacSwan (Eds.), Proceedings of the 4th international symposium on bilingualism,
(pp. 1842-1854). Somerville, MA, EUA: Cascadilla Press.
Quadros, R. (1997). Educação de surdos - A aquisição da linguagem. Porto Alegre, RS: Artes Médicas.
Quadros, R. (2005). O ‘Bi’ em bilinguismo na educação de surdos. In Fernandes, E. (org.) Surdez e bilinguismo. Porto Alegre, RS: Editora Mediação.
Quadros, R. & Schmiedt, M. (2006). Ideias para ensinar português para alunos surdos. Brasília: MEC/SEESP.
República de Moçambique. (1983). Lei nº 4/83, de 23 de Março. Boletim da República, Número 12. Maputo: Imprensa Nacional.
República de Moçambique. (1992). Lei nº 6/92, de 6 de Maio. Boletim da República, Número 19. Maputo: Imprensa Nacional.
República de Moçambique. (2018). Lei nº 18/18, de 28 de Dezembro. Boletim da República, Número 254. Maputo: Imprensa Nacional.
Sá Correia, M. de F. (2018). E do gesto se faz o mundo: Aprender/Ensinar filosofia em LGP. Tese de Doutoramento. Faculdade de Psicologia e Ciências de Educação. Universidade do Porto.
Sacks, O. (1989). Vendo vozes. Rio de Janeiro: Imago Editora.
Sim-Sim, I. (2005). O ensino do português escrito aos alunos surdos na escolaridade básica. In I. Sim-Sim (Org.), A criança surda. Contributos para a sua educação (pp. 15 - 28). Lisboa: Fundação Calouste Gulbenkian.
Skliar, C. (1997). Uma perspectiva sócio-histórica sobre a psicologia e a educação dos surdos. In C. Skliar (Org.), Educação e exclusão, abordagens sócio-antropológicas em educação especial (pp. 105 - 153). Porto: E. Mediação.
Skliar, C. (Org.) (1998). A surdez: Um olhar sobre as diferenças. Porto Alegre: Mediação.
Spenassato, D. & Giareta, M. (2009). Inclusão de alunos surdos no ensino regular: Investigação das propostas didático-metodológicas desenvolvidas por professores de matemática no ensino médio da EENAV. In X Encontro Gaúcho de Educação Matemática. Ijuí/RS, Anais eletrônico. Ijuí: UNIJUÍ. Disponível em http://www.projetos.unijui.edu.br/matematica/cd_egem/fscommand/CC/CC_60.pdf.
Stokoe, W. (1960). Sign language structure: On outline of the visual communication. Journal of Deaf Studies and Deaf Education (Vol. 10, pp. 1 – 37). Oxford: University Press. Disponível em https://doi:10.1093/deafed/eni001.
Vygotsky, L. (1997b). Obras escogidas V: Fundamentos de defectología. 1ª Ed. Madrid: Editorial Pedagógica.
Vygotsky, L. (1978). Mind and Society. Cambridge, MA: Havard University Press.