Memória Coletiva e Construção de Identidade Linguística nas Narrativas de Alfredo Troni e Uanhenga Xitu

##plugins.themes.bootstrap3.article.main##

Manuel da Silva Domingos
Nsimba José

Keywords

discurso, narrativa, memória coletiva, identidade linguística, coesão, coerência

Resumo

O presente estudo é resultado das nossas reflexões em torno das obras literárias como dispositivo discursivo. Considerando a heterogeneidade dos discursos, uma vez que falados ou escritos evidenciam, em graus diversos, saberes de vária origem e natureza, examinámos, à luz das narrativas de Uanhenga Xitu e Alfredo Troni, os aspectos atinentes à memória coletiva e à construção linguística. Para a sua sustentação teórica, optamos pelas abordagens de autores que se debruçam sobre as questões indicadas, visando demonstrar a maneira como se manifestam linguisticamente. Na vertente linguística, explorámos questões ligadas à textualidade, principalmente a conectividade sequencial ou coesão e a conectividade conceptual ou coerência, mecanismos que facilitaram a descrição da identidade do português reportado pelos autores, o português de Angola.

Abstract 39 | PDF Downloads 60

Referências

Anabengo.s.d. A lenda da mamã muxima. Disponível em . Acesso em: 12 mar. 2017.
Antunes, Irandé.2009. Língua, Texto e Ensino: outra escola possível, São Paulo: Parábola Editorial.
_____. 2010.Análise de Textos: fundamentos e práticas, São Paulo: Parábola Editorial.
Bakhtin, Mikhail. 1981.Problemas da poética de Dostoiévski. Rio de Janeiro: Forense Universitária.
Beaugrande, Robert Alain de; Dressler, Wolfgang Ulrich.1981. Introduction to Text Linguistics, London: Longman.
Candau, Joël.2012. Memória e identidade, São Paulo: Contexto.
Delbeque, Nicole.2006. Linguística Cognitiva, Porto: Editora Piaget.
Duarte, Inês. 2003.Aspectos Linguísticos da Organização Textual. In: Mateus, Maria Helena Mira et al. (Org.). Gramática da Língua Portuguesa. Lisboa: Caminho p. 84-123.
Gonçalves, Perpétua.2013. O Português em África. In: Paposo, Eduardo Buzaglo Paiva et al.. (Org.). Gramática do Português. Lisboa: Fundação Calouste Gulbenkian. p. 156-178.
Hall, Stuart.2014. A identidade cultural na pós-modernidade. Rio de Janeiro: Lamparina.
Hallbwachs, Maurice.2012. Memória coletiva, SãoPaulo: Centauro.
Halliday, Michael Alexander Kirkwood; Hasan, Ruqaiya.1976. Cohesion in English, London: Longman.
Hora, Dermeval.2014. Estilo: uma perspectiva variacionista. In: Görski, Edar Maria; Coelho, Izete Lehmkuhl; Souza, Christiane Maria Nunes de (Org.). Variação Estilística: reflexões teórico-metodológicas e propostas de análise. Florianópolis: Insular. v.3,p. 19-30.
José, Nsimba.2016. As narrativas orais ovimbundu como espaço de produção de sentidos. In: Leite, Ilka Boaventura; Severo, Cristine Gorski (Org.). Kadila culturas e ambientes: Diálogos Brasil -Angola, São Paulo: Blucher, p. 183-198.
Kabatek, Johannes. 2006.Tradições Discursivas e mudança linguística. In: Lobo, T. et al.(Org.). Rosae: linguística histórica, história das línguas e outras histórias. Salvador: EDUFBA, p.579-588.
Koch, Ingedore G. Villaça.2014. A Coesão Textual, 18ed., São Paulo: Contexto.
Koch, Ingedore G. Villaça; Travaglia, Luiz Carlos.2014. A Coerência Textual, 18 ed., São Paulo: Contexto.
Le Goff, Jacques.1990. Memória. História e memória. Campinas: UNICAMP.
Longhin, Sanderléia Roberta.2014. Tradiçoes discursivas: conceito, história e aquisição. São Paulo: Cortez.
Monteiro, Charles.2006. Memória e esquecimento nas artes de lembrar a cidade de Porto Alegre nas crônicas de Nilo Ruschel. Nuevo Mundo Mundos Nuevos, Debates. Disponível em: ., Acesso em: 12 mai. 2009.
Nora, Pierre.1981. Entre memória e História: a problemática dos lugares. In: Projeto História: história e Cultura.v.10, dez. São Paulo.
Pratt, Mary Louise.1999. Os olhos do império: relatos de viagem e transculturação. Bauru: EDUSC.
Richard, Nelly.2002. Intervenções críticas. Belo Horizonte: Editora UFMG.
Ricoeur, Paul. 2007.A Memória, a história, o esquecimento. Campinas, Unicamp.
Rivera, Dario Paulo Barrera.2000. Tradição, memória e modernidade: a precariedade da memória religiosa contemporânea. Estudo de Religião, Ano XIV, nº 18, p.121-144.
Rivera, Paulo Barrera.2001. Tradição e emoção religiosa: Sociologia do Protestantismo na América Latina. São Paulo: Olho d’água.
Sá, Ana Lúcia de.2004. A confluência do tradicional e do moderno na obra de Uanhenga Xitu. Luanda: União dos Escritores Angolanos.
Samoyault, Tiphaine. 2008. A intertextualidade. São Paulo: Hucitec.
Severo, Cristine Gorski, Estilo.2014. Variação Linguística e Discurso. In: Görski, Edar Maria; Coelho, Izete Lehmkuhl; Souza, Christiane Maria Nunes de (Org.). Variação Estilística: reflexões teórico-metodológicas e propostas de análise. Florianópolis: Insular, Coleção Linguística, v.3, p. 31-50.
Severo, Cristine Gorski.2011. Línguas e Discursos: heterogeneidade linguístico-discursiva e poder em Angola. Veredas: Revista da Associação Internacional de Lusitanistas, v. 15, p. 19-46.
Silva, Tomaz Tadeu.2003. Identidade e diferença: a perspectiva dos estudos culturais. Petrópolis: Vozes.
Troni, Alfredo.2014. Nga Mutúri. Luanda: União dos Escritores Angolanos.
Xitu, Uanhenga.2003. Mestre Tamoda e outros contos. Luanda: União dos Escritores Angolanos.