Os Sentidos e os Não Sentidos da Língua Portuguesa: Questões de Língua e Linguagem nos Contos de Mia Couto

##plugins.themes.bootstrap3.article.main##

Maurício Silva

Keywords

Mia Couto, Literatura africana lusófona, Língua Portuguesa

Resumo

O presente artigo trata da produção ficcional de Mia Couto, em especial seus contos, analisando o modo como o autor moçambicano trabalha em seus textos questões relacionadas à língua e à linguagem, além de vincularmos tais questões às teorias do pós-colonialismo. Para Mia Couto, o processo de colonização impõe ao colonizado outro modo de falar, que corresponde a outra língua. Assim, em Mia Couto, há que se distinguir uma questão da língua e uma questão da linguagem, ambas inseridas no contexto do pós-colonialismo: a primeira, mais relacionada ao processo de reconstrução idiomática do português no continente africano; a segunda naturalmente vinculada a uma reflexão ideológica que se reflete, metaforicamente, no substrato metalinguístico de sua ficção. Finalmente, destacamos, neste artigo, a dimensão política da escrita de Mia Couto, já que o trabalho com a linguagem, em sua produção ficcional, vincula-se à problemática das identidades se perfazem no contexto histórico de Moçambique, em particular, e da África lusófona, em geral.

Abstract 14 | PDF Downloads 18

Referências

Afolabi, Niyi.1997. “Uma Gaiola de Ouro: A Problemática da Regeneração na Literatura Africana de Língua Portuguesa”. África. Revista do Centro de Estudos Africanos. Universidade de São Paulo, São Paulo, nº 20-21, p.27-41.
Ashcroft, Bill.2001. Post-colonial transformation. London/New York: Routledge.
Augé, Marc.1996. El sentido de los otros: actualidad de la antropología. Paidós, Barcelona.
Bakhtin, Mikhail.1988. Marxismo e Filosofia da Linguagem: Problemas Fundamentais do Método Sociológico na Ciência da Linguagem. São Paulo: Hucitec.
Barthes, Roland.1972. Le degré zero de l'écriture. Paris: Seuil.
Bastos, Neusa Barbosa; Brito, Regina Helena Pires de. 2011. “Mia Couto: ‘somando colorações’ no vocabulário da lusofonia”. Matraga, Rio de Janeiro, v.18, nº 28, p.143-157, jan.-jun.
Bonnici, Thomas.2005. “Avanços e ambiguidades do pós-colonialismo no limiar do século 21”. Légua & meia: revista de literatura e diversidade cultural. Feira de Santana, Universidade Federal de Feira de Santana, v. 4, nº3, p.186-202.
Chabal, Patrick.1994. Vozes Moçambicanas: literatura e nacionalidade. Lisboa: Veja.
Couto, Mia.2005. O último vôo do flamingo. São Paulo: Companhia das Letras.
_____. 2007.A Varanda do Frangipani. São Paulo: Companhia das Letras.
_____.2009. O Fio das Missangas. São Paulo: Companhia das Letras.
_____.2011. E se Obama fosse Africano? São Paulo: Companhia das Letras.
_____.2012. Estórias Abensonhadas. São Paulo: Companhia das Letras.
_____.2013a Vozes Anoitecidas. São Paulo: Companhia das Letras.
_____.2013b. Cada Homem é uma Raça. São Paulo: Companhia das Letras.
_____.2014. "Mia Couto: o rico contador de histórias" (Entrevista por Bruno Garcia, Cristiane Nascimento e Joice Santos). Revista de História da Biblioteca Nacional, Rio de Janeiro, Ano 9, nº 101, p.54-59.
Ferreira, Manuel.1987. Literaturas africanas de expressão portuguesa. São Paulo: Ática.
Fiorin, José Luiz.1988. Linguagem e Ideologia. São Paulo: Ática.
Garcia, Flavio; Silva, Luciana Morais da. 2012. “Mia Couto: conceitos e sentidos de uma composição híbrida, entre o literal e o literário”. Nonada: letras em revista, Porto Alegre, Ano 15, nº19, p.171-181.
Gnerre, Maurizzio.1987. Linguagem, Escrita e Poder. São Paulo: Martins Fontes.
Gotlib, Nádia Battella.1988. Teoria do Conto. São Paulo: Ática.
Hamilton, Russel G.1999. “A literatura dos PALOP e a Teoria Pós-Colonial”. Via Atlântica. São Paulo, nº3, p.12-22.
Laranjeira, Pires.1995. “Mia Couto, sonhador de verdades, inventor de lembranças”. Em seu Literaturas Africanas de Expressão Portuguesa. Lisboa: Universidade Aberta, p. 310-318.
_____.2000. “As Literaturas Africanas de Língua Portuguesa - Identidade e Autonomia” Scripta, Belo Horizonte, v.3, nº6, p.237-244.
Leite, Ana Mafalda.2003. Literaturas Africanas e Formulações Pós-Coloniais. Maputo: Imprensa Universitária.
Ogliari, Ítalo.2012. A poética do conto pós-moderno e a situação do gênero no Brasil. Rio de Janeiro: 7Letras.
Maquêa, Vera.2008. “A tradução do impossível: Milton Hatoum e Mia Couto”. In: Silva, Agnaldo Rodrigues da (Org.). Diálogos Literários: literatura, comparativismo e ensino. São Paulo: Ateliê, p. 145-178.
Rodrigues Júnior, Hélio.2013."Guimarães Rosa e Mia Couto: contornos da dimensão humana no universo da lusofonia". Verbum: cadernos de pós-graduação, São Paulo, nº5, p.16-26.
Said, Edward.1996. Orientalismo: O Oriente como Invenção do Ocidente. São Paulo: Companhia das Letras.
Santilli, Maria Aparecida.1985. Africanidade: Contornos Literários. São Paulo, Ática.
Schmidt, Simone Pereira.2009. “Onde está o sujeito pós-colonial? (Algumas reflexões sobre o espaço e a condição pós-colonial na literatura angolana)”. Abril: Revista do Núcleo de Estudos de Literatura Portuguesa e Africana da UFF, Niterói, v. 2, nº 2, p.136-147.
Secco, Carmen Lúcia Tindó Ribeiro.1989. "O ar, as águas e os sonhos no universo poético de Mia Couto". Gragoatá: Revista do Instituto de Letras, Rio de Janeiro, nº 5, p.159-169.
Soares, Angélica.1989. Gêneros Literários. São Paulo: Ática.
Tavares, Hênio Último da Cunha.1984. Teoria Literária. Belo Horizonte: Itatiaia.