Estratégia de motivação para a aprendizagem da língua portuguesa no ensino superior diagnosticar e sensibilizar

##plugins.themes.bootstrap3.article.main##

Dina Baptista https://orcid.org/0000-0002-7556-6557

Keywords

motivação, ensino, língua portuguesa, aprendizagem ativa

Resumo

O papel do professor de Português assume cada vez mais um duplo desafio: motivar os estudantes para a aprendizagem de uma disciplina pouco “amada” e sensibilizar para a importância das competências comunicativas em qualquer contexto. O estudo apresenta a estratégia pedagógica implementada em seis unidades curriculares na área da língua portuguesa, lecionadas em Licenciaturas e Cursos Técnicos Superiores Profissionais, na Escola Superior de Tecnologia e Gestão de Águeda, da Universidade de Aveiro. Foi aplicado um inquérito por questionário a 119 estudantes que permitiu diagnosticar as suas dificuldades linguísticas, avaliar a sua relação com a aprendizagem da língua portuguesa e suscitar a reflexão sobre os fatores que podem condicionar a aprendizagem. Face aos resultados obtidos, apresenta-se uma proposta didática, assente na adaptação dos pilares da retórica aristotélica Ethos, Pathos e Logos, pela familiaridade da estrutura argumentativa estudada no
secundário e pela capacidade de sensibilizar e de motivar para a aprendizagem.

Abstract 49 | PDF Downloads 0

Referências

Alarcão, M. L. (1995) Motivar para a Leitura – de abordagem do texto narrativo. Texto Editora.
APP-Associação de Professores de Português (2013). Parecer sobre o Programa e Metas curriculares de português do ensino secundário. APP. Retrieved from https://www.app.pt/5577/ parecer-sobre-o-programa-e-metas-curriculares-de-portugues-do-ensino-secundario-dezembro-
-de-2013/
APP-Associação de Professores de Português (2015). Educação literária nos novos programas do ensino básico. APP. Retrieved from https://www.app.pt/6589/a-educacao-literaria-nos-novos- -programas-de-portugues-do-ensino-basico/
APP-Associação de Professores de Português (2016). Português para o século XXI. APP. Retrieved from https://www.app.pt/7620/portugues-para-o-sec-xxi/
Arias, J. F. (2004). Perspectivas recientes en el estúdio de la motivación: la teoría de la orientación de meta. Revista Electrónica de Investigación Psicoeducativa, 2(1), 35-62
Azevedo, F. (2011, junho 17-18). Educar para a literacia: perspectivas e desafios. Comunicação apresentada no VII Encontro de Educação: Numeracia e Literacia em educação. Escola Superior de Educação Jean Piaget. Campus Universitário de Alamada. (pp. 1-18). Retrieved from
https://repositorium.sdum.uminho.pt/bitstream/1822/12645/1/Educar%20para%20a%20literacia_ FA2011.pdf
Benavente, A., Rosa, A., Costa, A. F., & Ávila, P. (1996). A Literacia em Portugal: Resultados de uma pesquisa extensiva e monográfica. Lisboa: Fundação Calouste Gulbenkian.
Bonnell, C. C.; Eison J. (1991). Active learning: Creating excitement in the classroom. Washington: George Washington University Press,
Carrega, J. (2011). A utilização do telemóvel em contexto educativo: um estudo de caso sobre as representações de alunos e de professores dos 9º e 12º anos de escolaridade. (Dissertação de Mestrado em Comunicação Educacional Multimédia). Departamento de Educação e Ensino a Distância. Universidade Aberta. Retrieved from https://repositorioaberto.uab.pt/bitstream/10400.2/2043/1/Jo%C3%A3o%20Carrega.pdf
Comissão Europeia (2018). Recomendação do Conselho de 22 de maio de 2018 sobre as Competências Essenciais para a Aprendizagem ao Longo da Vida. Jornal Oficinal da União Europeia. Bruxelas. Retrieved from https://eur-lex.europa.eu/legal-content/PT/TXT/PDF/?uri=CELEX:
32018H0604(01)&from=GA
Cowan, J. (2006). On Becoming an Innovative University Teacher: Reflection in Action (2.ª ed.). Maidenhead: Society for Research Into Higher Education & Open University Press
Damásio, A. R. (1995). O erro de Descartes: emoção, razão e cérebro humano (6.ª ed.). Lisboa: Publicações Europa-América
Dias, G. et al. (2021). Qual o estado das Redes de ensino Profissional em Portugal? Edutalks #9. Edulog – Fundação Belmiro de Azevedo. Retrieved from https://www.edulog.pt/storage/app/uploads/public/605/46f/f77/60546ff772168600437851.pdf
Educare.pt (2013, novembro 5). Disciplinas do secundário vão ter novos programas. https://www.educare.pt/noticias/noticia/ver/?id=21502&langid=1
Fernandes, E. (2017). 101 Erros de Português que Acabam com a sua Credibilidade. Lisboa:Verso de Kapa
Ferraz, M. (2007). Ensino da Língua Materna. Lisboa: Caminho.
Ferreiro, E. & Teberosky, A. (1999). Psicogénese da Língua Escrita. Porto Alegre: Artes. Médicas Editora.
Fialho, N. N. (2007). Jogos no ensino de química e biologia. Curitiba: Ibpex.
Franco, M., Reis, M., & Gil, T. (2003). Domínio da Comunicação, Linguagem e Fala: Perturbações Específicas de Linguagem em contento escolar – Fundamentos. Lisboa: Ministério da Educação.
Freeman, S., Eddy, S. L., McDonough, M., Smith, M. K. Okoroafor, N., Jordt, H. & Wenderoth, M.P. Mary P. (2014). Active learning increases student performance in science, engineering, and mathematics. PNAS 111(23) 8410-8415. Retrieved from https://doi.org/10.1073/pnas.1319030111
Gomes, M. (2017). A oralidade no processo de ensino-aprendizagem do português no ensino secundário (Relatório de Estágio para obtenção do grau de Mestre em Ensino do Português e do Espanhol no 3.º Ciclo do Ensino Básico e no Ensino Secundário) Universidade da Beira Interior,
Covilhã. Retrieved from https://ubibliorum.ubi.pt/bitstream/10400.6/7869/1/5772_12272.pdf
Guimarães, S.& Boruchovit-Ch, E. (2004). Estilo Motivacional do Professor e a Motivação Intrínseca dos estudantes: uma Perspectiva da Teoria da Autodeterminação. Psicologia Reflexão e Crítica 17(2), 143-150.
Jensen, E. (1998). Teaching with the Brain in Mind. Alexandria: Association for Supervision and Curricular Development.
Libâneo, J.C. (2008). Democratização da Escola Pública: A pedagogia crítico-social dos conteúdos. Edições Loyola, São Paulo
Moran, J. (2007) A educação que desejamos: novos desafios e como chegar lá. (2. ed.) Campinas, SP: Papirus.
Ministério da Educação (2009). Programas de Português do Ensino Básico. Lisboa: Ministério da Educação: Direção Geral de inovação e desenvolvimento curricular.
Ministério da Educação e Ciência (2014). Programa e metas curriculares de Português: Ensino Secundário. Lisboa: Ministério da Educação e Ciência.
Ministério da Educação e Ciência (2015). Programa e metas curriculares de Português: Ensino Básico. Lisboa: Ministério da Educação e Ciência.
Oliveira, E. (2017). Motivação no Ensino Superior Estratégias e Desafios. Contexto & Educação 32(101) 212-232. Retrieved from https://www.revistas.unijui.edu.br/index.php/contextoeducacao/ article/view/5924
Oliveira, J. (2011). Nine years of Project-based learning in Engineering. Revista de Docência Universitária 9(1), 45-55.
Passos, J. (2018). Análise do uso das metodologias ativas de aprendizagem: estudo de caso no ensino de logística e transportes. (Dissertação de Mestrado apresentada a Faculdade de Engenharia Civil). Campinas Retrieved from http://repositorio.unicamp.br/bitstream/REPOSIP/333478/1/Passos_JulioCesarFerreiraDos_M.pdf
Pedroso, F.M.P. (2012). Literacia da Informação. Um Projeto de Intervenção no âmbito dos comportamentos informacionais dos adolescentes. (Dissertação de Mestrado. Departamento de Ciências da Educação e do Património). Universidade Portucalense. Retrieved from http://repositorio.
uportu.pt/bitstream/11328/929/1/TMEB%2030.pdf
Portugal, L. (2004). Gente famosa também dá Pontapés na gramática. Lisboa: Roma Editora.
Ribeiro, F. (2011). Motivação e aprendizagem em contexto escolar. PROFFORMA 3, 1-5. Retrieved from http://www.cefopna.edu.pt/revista/revista_03/pdf_03/es_05_03.pdf Sá, C. (2018). Técnicas de Comunicação oral e escrita. Educação e Formação. Cadernos Didáticos 2. UA Editora - Universidade de Aveiro.
Ryan, R.M. & Deci, E.L. (2000). Intrinsic and extrinsic motivations classic definitions and new directions. Contemporary Educacional Psychology 25, 54-67.
Sampieri, R. H., Collado, C. F., & Lucio, P. B. (2006). Metodologia de Pesquisa (3.ª ed.). São Paulo: McGraw-Hill.
Silberman, M. L. (1996). Active learning: 101 strategies to teach any subject. Boston: Allyn and Bacon.
Silva Th., Mascarenhas, I., Medeiros, C. & Sousa, E. (2016). A motivação no ensino superior: um estudo com alunos dos cursos de Administração e Direito. Revista Gestão em Análise 3(1/2), 104-113. DOI: 10.12662/2359-618xregea.v3i1/2.
Sim-Sim, I., Viana, F. (2007). Para a avaliação do desempenho de leitura. Lisboa: Fundação Calouste Gulbenkian.
Tapia, A. (1997). Motivar para el aprendizagem. Teoria y estrategias. Barcelona: Edebé
Vergara, S. C. (2008). Métodos de pesquisa em administração. 3ª Ed. São Paulo: Atlas.
Vieira P. (2012). Perguntas dos alunos do ensino secundário: promoção de uma aprendizagem ativa. (Dissertação de Mestrado em Didática - Física e Química). Universidade de Aveiro. Retrieved from https://ria.ua.pt/handle/10773/10021
Vygotsky, L. (1998). Pensamento e linguagem (2ª ed.). São Paulo: Livraria Martins Fontes.