O lugar das normas gramaticais e das práticas de análise gramatical no ensino básico e na formação dos professores de língua portuguesa no Brasil

##plugins.themes.bootstrap3.article.main##

Aquiles Tescari Neto https://orcid.org/0000-0002-8157-3921
Wellington Michel Souza de Paula https://orcid.org/0000-0003-3566-0386

Keywords

ensino de língua portuguesa, normas gramaticais, análise linguística, ensino de gramática, educação básica, formação de professores

Resumo

O trabalho tem por objetivo discorrer sobre o ensino de duas frentes dos estudos gramaticais, nomeadamente a frente das normas gramaticais e a da análise linguística/gramatical, contemplando o contexto brasileiro tanto da educação básica quanto da formação de professores de língua portuguesa. Valemo-nos, para isso, de uma discussão sobre programas de ensino dessas duas frentes na educação básica, tomando, como ponto de partida, as orientações oficiais dos Parâmetros Curriculares Nacionais (PCNs) e da Base Nacional Comum Curricular (BNCC), complementadas com a consulta a um livro de português recomendado pelo Programa Nacional do Livro Didático. Para a reflexão sobre o ensino dessas duas frentes no ensino superior, valemo-nos de uma consulta feita a projetos pedagógicos e/ou grade curricular de cursos de Licenciatura em Letras (português), oferecidos em universidades brasileiras. Ao final, argumentamos favoravelmente a um ensino de ambas as frentes tanto no ensino básico quanto na formação de professores de língua portuguesa.

Abstract 62 | PDF Downloads 38

Referências

Avelar, J.O. (2017). Saberes Gramaticais: formas, normas e sentidos no espaço escolar. São Paulo: Parábola Editorial.
Bechara, E. (1985). Lições de português pela análise sintática. (13th ed.) Rio de Janeiro: Padrão.
Bell, A. (1984). Language Style as Audience Design. In Coupland, N. and A. Jaworski (1997, eds.) Sociolinguistics: a Reader and Coursebook, pp. 240-50. New York: St Mattin’s Press Inc.
Bortoni-Ricardo, S. M. (2003). Educação em língua materna: a sociolingüística na sala de aula. São Paulo: Parábola Editorial.
Brasil. (1959). Portaria n.º 36, de 28 de janeiro de 1959. Dispõe sobre a Nomenclatura Gramatical Brasileira (NGB). Rio de Janeiro, Distrito Federal.
Brasil. (1998). Parâmetros curriculares nacionais: terceiro e quarto ciclos do ensino fundamental: língua portuguesa. Secretaria de Educação Fundamental. Brasília: MEC/SEF.
Brasil. (2000). Parâmetros curriculares nacionais: Ensino médio: partes I e II. Brasília: SEB/MEC.
Brasil. (2016). PNLD 2017: língua portuguesa – Ensino fundamental anos finais / Ministério da Educação – Secretária de Educação Básica SEB – Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação. Brasília, DF: Ministério da Educação, Secretária de Educação Básica, 98 p.
Brasil. (2017). Base Nacional Comum Curricular. Secretaria de Educação Básica. Brasília: MEC, SEB.
Castilho, A.T. (2000). A língua falada no ensino de português. São Paulo: Contexto.
Chomsky, N. (1986). Knowledge of Language: its Nature, Origin and Use. New York: Praeger.
Cinque, G. (2018). A cosa può servire l’insegnamento della grammatica. In: Santipolo, M.; Mazzotta, P. (A Cura di.) L’educazione linguistica oggi. Nuove sfide tra riflessioni teoriche e proposte operative. Festschrift para Paolo Balboni. Torino: UTET Università, p. 105-110.
Donati, C. (2008). La sintassi: regole e strutture. Bologna: il Mulino.
Duarte, M. E. L., & Serra, C. (2015). Gramática(s), ensino de Português e “adequação linguística”. Matraga, v. 22, n. 36, p. 31-55.
Faraco, C.A. (2008). Norma culta brasileira: desatando alguns nós. São Paulo: Parábola.
Faraco, C. A. (2017). Gramática e ensino. Diadorim, Rio de Janeiro, Revista 19 volume 2, p. 11-26, Jul-Dez
Franchi, C. (1991). Criatividade e gramática. São Paulo: SE/CENP. 39p.
Furtado da Cunha, M. A., & Tavares, M. A. (org). (2016). Funcionalismo e ensino de gramática. Natal, RN: EDUFRN.
Geraldi, J.W. (1984). Unidades básicas do ensino de português. In: ___ (Org.) O texto na sala de aula: leitura & produção. 2.ed. Cascavel: Assoeste, p. 49-69.
Ilari, R., & Possenti, S. (1985). Português e ensino de gramática. In: São Paulo (Estado). Secretaria da Educação. Coordenadoria de Estudos e Normas Pedagógicas. São Paulo, SE/CENP, p. 1-12.
Ilari, R. Lingüística e ensino de língua materna. (n.d.). Museu da Língua Portuguesa, n.d. Disponível em: https://www.museudalinguaportuguesa.org.br/wp-content/uploads/2017/09/ENSINO--COMO-LINGUA-MATERNA.pdf [Acesso: 15/12/2020]
Kato, M.A. (1986) No mundo da escrita: uma perspectiva psicolinguística. São Paulo: Ática
Kury, A.G. (1985). Lições de português pela análise sintática. São Paulo: Ática.
Lyons, J. (1969) Introduction to Theoretical Linguistics. Cambridge: Cambridge University Press.
Marcuschi, L.A. (2000). Da fala para a escrita: atividades de retextualização. São Paulo: Cortez.
Marcuschi, L.A. (2005). Perplexidades e perspectivas da Lingüística na virada do milênio. Língua, linguística e literatura, vol.3., n.1, 11-35
Medeiros Junior, P. (2020). Gramática Sim, e daí? Reflexões acerca do ensino de gramática nos anos da educação básica. 1. ed. Curitiba: CRV, v. 1. 98p.
Mendonça, M. (2006). Análise linguística no ensino médio: um novo olhar, um outro objeto. In: Bunzem, C., & Mendonça, M. (org.). Português no ensino médio e formação do professor. São Paulo: Parábola Editorial, p.199-226.
Oliveira, T. A., & Araújo, L. A. M. (2018). Tecendo linguagens: língua portuguesa. (5th ed.) Barueri (SP): IBEP.
Pagotto, E.G. (1998). Norma e condescendência: ciência e pureza, Línguas e Instrumentos linguísticos 2, 49-68.
Perigrino, M. (2020). Os advérbios no ensino de língua portuguesa: livros didáticos, metodologia gerativa e teoria da gramática. (Dissertação de Mestrado em Linguística), UNICAMP, São Paulo, Brasil.
Pilati, E. (2017). Linguística, gramática e aprendizagem ativa (2nd ed.). São Paulo: Pontes.
Pires de Oliveira, R., & Quarezemin, S. (2016). Gramáticas na escola. Petrópolis: Vozes.
Segredo, L.C. (2011). A Educação Linguística no Curso de Letras: contribuições para o ensino de Língua Portuguesa. (Dissertação de Mestrado em Língua Portuguesa), PUC, São Paulo, Brasil.
Tescari Neto, A. (2017). Constituência sintática, ambiguidade estrutural e aula de português: o lugar da teoria gramatical no ensino e na formação do professor. Working Papers in Linguistics (Online), v.18, p.129-152.
Tescari Neto, A. & Perigrino, M. (2018) O verbo e o substantivo em livros didáticos contribuições da gramática gerativa às aulas de português. Revista da Abralin, v. 17(1), p. 152-191.
Tescari Neto, A. & Perigrino, M. (2020). Cartografia Sintática nas aulas de gramática: por uma metodologia de ensino da classe dos advérbios. In: Guesser, S.; Rech, N.F. Gramática, aquisição e processamento. Campinas: Pontes, p. 191-215.
Tescari Neto, A. & Garcia Martins, M. (2020) Classes de palavras. Manuscrito, Unicamp.
Travaglia, L. C. (2002). Para que ensinar teoria gramatical. Rev. Est. Ling., Belo Horizonte, v.10, n. 2, p.135-231, jul./dez. Unilab. Projeto político pedagógico: graduação em Letras – Língua portuguesa. Redenção, CE, 2016.