Expressões de Poder e de Solidariedade em Moçambique e em Angola: Observando a Inter-relação entre Género e Formas de Tratamento

##plugins.themes.bootstrap3.article.main##

Sabrina Rodrigues Garcia Balsalobre

Keywords

sistema de formas de tratamento, poder e solidariedade, género

Resumo

Considerando que a língua portuguesa é comum a Moçambique e a Angola, é necessário compreender que ela desempenha papéis simbólicos diferentes a cada uma das realidades nacionais. Assim sendo, parte-se do pressuposto fundamental de que há uma direta inter-relação entre estudos linguísticos e sociais. Mais particularmente, a intenção é a de observar como mulheres e homens moçambicanos e angolanos relacionam-se e expressam suas percepções de mundo por meio da língua, mais especificamente, por meio do sistema de formas de tratamento, tanto nominal quanto pronominal. Dessa forma, o foco é a questão do gênero enquanto determinante de escolhas linguísticas. A fim de se concretizar essa busca investigativa, tomou-se como pilar teórico a complementaridade existente entre a sociolinguística e a pragmática – resumidamente, a sociopragmática. Além disso, de forma mais específica, está em foco a observação dos ideais semânticos do poder e da solidariedade (Brown e Gilman, 1960/1972), como forças sociais claramente expressas por meio das escolhas linguísticas.

Abstract 29 | PDF Downloads 38

Referências

Abreu, Maria Teresa dos Santos, Mercer, Jose Luiz da Veiga.1988. O tratamento em Curitiba: o pronome zero. In.: Revista Ilha do Desterro. A Journal of English Language, Literatures in English and Cultural Studies, Florianópolis, n. 20.
Atlas De Moçambique.2009. Maputo: Editora Nacional de Moçambique.
Balsalobre. Sabrina Rodrigues Garcia. 2015.Brasil, Moçambique e Angola: desvendando relações sociolinguísticas pelo prisma das formas de tratamento. Tese (Doutorado em Linguística e Língua Portuguesa). Faculdade de Ciências e Letras, Universidade Estadual Paulista (UNESP), Araraquara.
Brown, Roger.; Gilman, Albert. 1972 [1960].The pronouns of power and solidarity. In: Giglioli, Pier Paolo. (Ed.) Language and social context: selected readings. Michigan: Peguin Books, p.252 -281.
Dias, Hildizina.2002. As desigualdades sociolinguísticas e o fracasso escolar: em direção a uma prática linguístico-escolar libertadora. Maputo: Promédia.
Firmino, Gregório.2006. A questão linguística na África pós-colonial: o caso do português e das línguas autóctones em Moçambique. Maputo: Texto editores.
______. 2004. A nativização do português em Moçambique. In.: Carvalho, Clara. Cabral, João de Pina (Org..). A persistência da história: passado e contemporaneidade em África. Lisboa: Imprensa de Ciências Sociais.
Fonseca, Dagoberto José.2009. Nas marolas do Atlântico: interpretações de Angola, da África, do Brasil e de Portugal. Relatório Científico de Pós-Doutorado apresentado ao Departamento de Ciências Sociais na Educação da Faculdade de Educação da Universidade de Campinas, Campinas.
Giaufret, Anna.2011. De Mário a Otário. As formas de tratamento nominais: modelos de função alocutiva ou predicativa. In.: Couto, Letícia Rebollo, Lopes, Célia Regina dos Santos. (Org.) As Formas de Tratamento em Português e em Espanhol: variação, mudança e funções conversacionais. Niterói: Editora da UFF. p.47-60.
Kerbrat-Orecchioni, Catherine.2011. Modelos de variação intraculturais e interculturais: as formas de tratamento nominais em francês. In.: Couto, Letícia Rebollo, Lopes, Célia Regina dos Santos. (Org.) As Formas de Tratamento em Português e em Espanhol: variação, mudança e funções conversacionais. Niterói: Editora da UFF. p.19-46.
Labov, William. 2008 [1972]. Padrões sociolinguísticos. Tradução Marcos Bagno, Maria Marta Pereira Scherre, Caroline Rodrigues Cardoso. São Paulo: Parábola Editorial.
Levinson, Stephen. 1989. Pragmatics. Nova Iorque: Cambridge University Press.
Levinson, Stephen. 2007. Pragmática. Tradução Luís Carlos Borges, Aníbal Mari. São Paulo: Martins Fontes.
Lopes. Célia Regina dos, Rumeu, Márcia Cristina de Brito. Marcotulio, Leonardo Lennertz.2011. O tratamento em bilhetes amorosos no início do século Xx: do condicionamento estrutural ao sociopragmático. In.: Couto, Letícia Rebollo, Lopes, Célia Regina dos Santos. (Org.) As Formas de Tratamento em Português e em Espanhol: variação, mudança e funções conversacionais. Niterói: Editora da UFF. p.321-354.
Marcotulio, Leonardo Lennertz.2010. Língua e História: o 2º marquês de Lavradio e as estratégias linguísticas no Brasil Colonial. Rio de Janeiro: Ítaca.
Paiva, Maria da Conceição. 2013.A variável gênero/sexo. In.: Mollica, M.C., Braga, M. L. (Org.) Introdução à sociolinguística: o tratamento da variação. São Paulo: Contexto, p.33-42.
Paredes E Silva, Vera Lúcia.1996. A variação você/tu na fala carioca. Comunicação apresentada no 1º Encontro de variação linguística do Cone Sul, UFGRS.
Mundim, Sônia Sandra de Moura.1981. Formas de tratamento e vocativos no Rio de Janeiro. Dissertação de mestrado em Linguística. Universidade Federal do Rio de Janeiro.
Neto, Muamba Garcia.2012. Aproximação linguística e experiência comunicacional: o caso da escola de formação Garcia Neto. Luanda: Editora Mayamba.
Neves, Maria Helena de Moura.2008. Os pronomes. In.: Ilari, Rodolfo, Neves, Maria Helena de Moura (Org.). Gramática do português culto falado no Brasil. Vol.2. Campinas: Ed. UNICAMP, p.507-622.
Saraiva, Francisco dos Santos.2001. Novíssimo Diccionario Latino- Portuguez. Rio de Janeiro: Garnier.
Vidal, Victoria Escandell.1996. Introducción a la pragmática. Barcelona: Editorial Ariel.