O Luso, o Trópico e o Cão Tinhoso nas Revelações Literárias de Honwana

##plugins.themes.bootstrap3.article.main##

Sueli da Silva Saraiva

Keywords

literatura moçambicana, Luís Bernardo Honwana, colonialismo, lusotropicalismo

Resumo

Discute-se, nesse estudo, a narrativa enviesada da colonização portuguesa na África amparada na ideologia lusotropical de Gilberto Freyre, a qual foi estrategicamente cooptada pelo Estado Novo na defesa do colonialismo tardio. Enquanto as viagens do “brasileiro em terras portuguesas” patrocinadas por Lisboa, entre 1951-1952, resultavam obras sociológicas enaltecedoras do regime, fortaleciam-se as lutas anticolonialistas, irrompidas em 1961. Nesta época de atividades beligerantes e de resistência intelectual, destaca-se na literatura moçambicana Luís Bernardo Honwana e o Nós matamos o cão-tinhoso (1964), um conjunto de narrativas do cotidiano colonial em Moçambique que, pela ficção, desmistifica a retórica lusotropical, denunciando um “mundo que o português criou” marcado pela exploração predatória do trabalho, apropriações indevidas de terras, racismo e destituição de valores humanos de toda ordem. Neste artigo, verifica-se o quanto a resistência às ideias lusotropicalistas esteve presente no discurso dos intelectuais e escritores africanos empenhados nos movimentos anticoloniais.

Abstract 34 | PDF Downloads 43

Referências

Abdala Junior, Benjamin. 2003.De voos e ilhas: literatura e comunitarismos. Cotia: Ateliê Editorial.
Arenas, Fernando.2010. "Reverberações lusotropicais: Gilberto Freyre em África 1 - Cabo Verde". In: Buala – cultura contemporânea africana. Disponível em: http://www.buala.org/pt/a-ler/reverberacoes-lusotropicais-gilberto-freyre-em-africa-1-cabo-verde. Acesso em: 20 mar. 2012.
BOSI, Alfredo.2002. Literatura e Resistência. São Paulo: Companhia das Letras.
Cabaço, José Luís.2009. Moçambique: identidade, colonialismo e libertação. São Paulo: Ed. UNESP.
Castelo, Cláudia. 1999."O modo português de estar no mundo": O luso-tropicalismo e a ideologia portuguesa (1933-1961). Porto: Edições Afrontamento.
Honwana, Luís Bernardo. 1980. Nós matámos o cão-tinhoso. São Paulo: Ática.
Honwana, Raúl Bernardo.1989. Memórias. Lisboa: Edições ASA.
Fanon, Frantz. 2010.Os condenados da terra. Juiz de Fora: Editora da UFJF.
Freyre, Gilberto.2003. Casa Grande & Senzala: formação da família brasileira sob o regime de economia patriarcal. 48.ed. São Paulo: Global.
__________. 1940.O mundo que o português criou. Lisboa: Livros do Brasil.
__________.1953. Aventura e rotina: sugestões de uma viagem à procura de constantes portuguesas de caráter e ação. Rio de Janeiro: José Olympio.
__________.1953. Um brasileiro em terras portuguesas. Introdução a uma possível luso-tropicologia, acompanhada de conferências e discursos proferidos em Portugal e em terras lusitanas e ex-lusitanas da Ásia, África e do Atlântico. Rio de Janeiro: José Olympio.
__________.1958. Integração portuguesa nos trópicos. Lisboa: Ministério de Ultramar.
__________. 1961.O luso e o trópico. sugestões em torno dos métodos portugueses de integração de povos autóctones e de culturas diferentes da europeia num contexto novo de civilização: o lusotropical. Lisboa: Comissão Executiva das Comemorações do V Centenário da Morte do Infante D. Henrique.
Lepecki, Maria Lúcia.1987. "Luís Bernardo Honwana: o menino mais seu cão". Literaturas africanas de língua portuguesa. Lisboa, Fundação Gulbenkian, p. 45-55.
Macagno, Lorenzo.2002. Lusotropicalismo e nostalgia etnográfica: Jorge Dias entre Portugal e Moçambique. Afro-Ásia, v.28, 97-124. Disponível em: https://portalseer.ufba.br/index.php/afroasia/article/view/21045. Acesso em: 27 de mai. 2017.
Melo, Alfredo Cesar.2014. Relendo Freyre contra Freyre: apropriações contra-hegemônicas do hibridismo no Atlântico Sul. Via Atlântica, São Paulo, v.1, n. 25, p. 83-101, Disponível em: . Acesso em: 27 mai. 2017.
Mondlane, Eduardo.2011. "Resistência – A procura de um movimento nacional". In: Sanches, Manuela (Org.). Malhas que os impérios tecem: textos anticoloniais, contextos pós-coloniais. Lisboa: Edições 70, p. 333-354.