Norma e Variação Linguística: Implicações no Ensino da Língua Portuguesa em Angola

##plugins.themes.bootstrap3.article.main##

Ezequiel Pedro José Bernardo

Keywords

ensino, norma, variação linguística, português angolano

Resumo

Esse estudo procura descrever a diversidade linguística angolana oriunda do multilinguismo. A coabitação de cerca de vinte línguas nacionais de origem bantu e não bantu com o português, a língua oficial, promoveu o contato linguístico e concomitantemente a interferência. Nesse contexto, situações de violências simbólicas são frequentes na realidade angolana, motivadas por um ensino que relega a variação linguística, uma vez que o país é caracterizado pelo ensino dogmático, voltado à doutrina da gramática tradicional, que em vez de agregar as qualidades dos alunos, as segrega. Com base nestas constatações, objetiva-se na pesquisa: (i) proporcionar ao professor subsídios que estimulem a reflexão, questionamentos e crítica sobre questões normativas para um viés de ensino voltado à variação linguística, (ii) saber de que forma a norma-prescritiva pode implicar no ensino do português angolano (PA).

Abstract 87 | PDF Downloads 139

Referências

Adriano, Paulino Soma.2015. A crise normativa do português em Angola: clitização e regência verbal: que atitude normativa para o professor e revisor?, Luanda: Mayamba.
Antunes, Irandé.2007. Muito além da gramática: por um ensino de línguas sem pedras no caminho, São Paulo: Parábola.
Antunes, Irandé.2014. Gramática contextualizada: limpando “o pó das ideias simples”, São Paulo: Parábola.
Bagno, Marcos.2007. Nada na língua é por acaso: por uma pedagogia da variação linguística, São Paulo: Parábola.
Bagno, Marcos.2015. Preconceito linguístico, São Paulo: Parábola.
Bagno, Marcos.2001. Norma lingüística e preconceito social: questões de terminologia. Vereda: Revista de Estudos Linguísticos, Juiz de Fora: v.5, n. 2, p.71-83. Disponível em: www.ufjf.br/revistaveredas/files/2009/12/cap063.pdf. Acesso em: 15 jun.2005.
Bortoni-Ricardo, Stella Maris.2004. Educação em língua materna: A sociolinguística na sala de aula, São Paulo: Parábola.
Domingos, Manuel da Silva.2011. Nasalidade vocálica em português: Pistas para identificação forense de falantes. 189 páginas, 2011(Dissertação de Mestrado), Universidade de Lisboa, Departamento de Letras, Lisboa.
Instituto Nacional de Estatística.2008. Recenseamento geral da população e da habitação, Luanda, 2014.
Labov, William. Padrões sociolinguísticos, São Paulo: Parábola.
Miguel, Maria Helena.2014. Dinâmica da pronominalização no português de Luanda, Luanda: Mayamba.
Mingas, Amélia.2007. Interferência do Kimbundu no português falado em Lwanda. Luanda: Chá de Caxinde.
Monteagudo, Henriques.2011. Variação e norma linguística: subsídios para uma (re)visão. In. Lagares, Xoán Carlos e Bagno, Marcos (Org.), Políticas da norma e conflitos linguísticos. São Paulo, Parábola, p.15-48.
Nzau, Domingos Gabriel Ndele.2011. A língua portuguesa em Angola: um contributo para o estudo da sua nacionalização. 2011, 203p, (Tese de Doutoramento), Universidade de Beira Interior, Departamento de Letras, Covilhã.